Cálculo de demanda para fornecimento trifásico

 

 

Na aula 5.1 realizamos o cálculo da potência ativa total prevista para a residência com o objetivo de determinar o tipo de fornecimento, a tensão de alimentação e o padrão de entrada, caso você não lembre deste assunto,  revise a aula, assim  absorverá melhor o conteúdo abordado neste artigo.

Sabendo a potência ativa total prevista para a residência em KW podemos determinar o padrão de entrada, porém quando o resultado demanda um fornecimento trifásico, ou seja, a potência ativa total prevista é superior a 25 KW, será necessário realizar um novo calculo para que possamos determinar o padrão de entrada, pois na maioria das normas disponibilizadas pelas concessionárias essa categoria de fornecimento solicita uma demanda em KVA, sendo assim, será preciso que a potência ativa esteja em KVA, ou seja, precisamos realizar o cálculo de demanda. Este cálculo é exemplificado na maioria das normas das concessionárias, por isso, é muito importante consultar a norma antes de iniciar a elaboração do projeto elétrico.

 

TABELA DE LIGAÇÃO DA COELBA SISTEMA 220/127 V:


 

Veremos a seguir o passo a passo de como se faz o cálculo para encontrarmos a demanda máxima ou provável do projeto elétrico em questão, ou seja, o projeto no qual você está elaborando e que demanda um fornecimento trifásico, vamos lá:

 

1º Passo: Demanda da iluminação - para encontrarmos a demanda da iluminação precisamos verificar na norma a qual estamos usando como referência a tabela específica do cálculo de demanda, na tabela vamos identificar em qual faixa a potência ativa se encaixa, assim ela nos informará o fator de demanda. No meu caso estou usando a norma da Coelba, você deve usar a norma da companhia de eletricidade de sua cidade.

 

Veja o exemplo abaixo utilizando a tabela de calculo de demanda:

 

Encontrado o fator de demanda, vamos multiplicar o mesmo pela potência ativa da iluminação, o resultado encontrado é em KW, porém precisamos do resultado em KVA, para isso basta dividirmos o resultado pelo fator de potência, que no caso da iluminação é 1,0.

 

2º Passo: Demanda das TUG's - utilizando o procedimento anterior, vamos encontrar a demanda das tomadas de uso geral (TUG’s), analisando a tabela acima vamos identificar em qual faixa a potência ativa das TUG's se encaixa e qual o fator de demanda correspondente.

Identificado o fator de demanda, multiplicamos o mesmo pela potência da TUG's, e para que o resultado final seja em KVA, dividimos o valor encontrado anteriormente pelo o fator de potência de TUG's, que é 0,8.

 

3º Passo: Demanda da TUE's - chegou a hora de verificarmos a demanda de cada aparelho de uso específico separadamente, são eles os chuveiros, condicionadores de ar, torneiras elétricas etc. Para facilitar os cálculos vamos considerar para todos os aparelhos o fator de potência unitário.

O primeiro passo é multiplicar a potência de cada aparelho pelo seu devido fator de demanda expostos nas tabelas abaixo:

 

Após ter multiplicado a potência de cada aparelho pelo respectivo fator de demanda, vamos dividir o resultado obtido pelo o fator de potência, como falei anteriormente  vamos considerar o fator de potência unitário, que de acordo a norma será 1,0, feito isso encontramos a demanda de cada aparelho em KVA,

Encontrado a demanda de iluminação, TUG's e TUE's, vamos somar os resultados, assim teremos a demanda máxima da residência em KVA. De posse dessa informação vamos até a tabela de ligação para que possamos determinar o padrão de entrada (condutor, duto, disjuntor...).

 

 

Viu como é fácil realizar o cálculo da demanda? Caso tenha outras dúvidas, post aqui abaixo nos comentários ou entre em contato com o nosso suporte, até o próximo post.

 

Recomendado para você:

Importância do diagrama unifilar

Como elaborar um diagrama unifilar

Modelo de projeto elétrico residencial em DWG e PDF

 

Comentários  

 
#18 Kim Mira 19/07/2018 11:25
Não entendi direito o que está marcado no primeiro passo, a potencia de iluminação não é de 1,08 KW? A faixa está de 2 a 3...
 
 
#17 William Silva 17/03/2017 13:53
ola esse fator de potencia 0,8 é de acordo com a concessionária ou sempre vai ser esse valor?
 
 
+3 #16 Roberval da Silva 17/03/2017 00:15
Olá, eu achei na norma da CEMIG o fator de demanda para iluminação igual a 0,45. no passo a passo 1, vocês pedem para multiplicar o fator de demanda pela potencia da iluminação para que eu encontre o valor em KVA, só que nos cálculos que fizemos na aula 4.5 carga de iluminação, a potencia achada já esta em kVA, então não entendi o porque do fator de demanda. Pelo que entendi o único valor que preciso converter é o das PTUE que estao em KW, ai sim preciso converter para KVA
 
 
#15 Administrator 23/01/2017 08:41
Citando Vitor Rocha:
Podemos somar os resultados finais em VA?

Não é necessário primeiro passar as potencias da TUGs para P + jQ primeiro, somar e depois encontrar o valor equivalente de potencia aparente?

Acredito que se considerarmos as lampadas de descarga ( fluorescente ) ou de LED acarretaria em uma demanda em VA superdimensiona da devido ao fp < 1.

Olá Vitor, cada concessionária tem um método de cálculo a ser seguido. Esse é o cálculo que a COELBA exige. Procure usar o cálculo que a norma da sua Concessionária utiliza. Quanta a potência de iluminação, as potências não são determinadas pelo tipo da lâmpada e sim pela área de cada cômodo apenas para dimensionamento dos circuitos.
Demais dúvidas, estou a disposição!

Att,
Tiago Moreira
 
 
#14 Vitor Rocha 21/01/2017 19:24
Podemos somar os resultados finais em VA?

Não é necessário primeiro passar as potencias da TUGs para P + jQ primeiro, somar e depois encontrar o valor equivalente de potencia aparente?

Acredito que se considerarmos as lampadas de descarga ( fluorescente ) ou de LED acarretaria em uma demanda em VA superdimensiona da devido ao fp < 1.
 
 
#13 Administrator 13/01/2017 09:27
Citando Bruno Genovez:
Sou de SP e nao consigo achar essas tabelas na internet. A minha concessionaria de energia é a Eletropaulo.

Olá Bruno, as tabelas da Eletropaulo estão disponíveis em anexos, página 433 da norma de Fornecimento de energia elétrica em tensão secundária de distribuição.
Demais dúvidas, estou a disposição!

Att,
Tiago Moreira
 
 
#12 Bruno Genovez 12/01/2017 20:11
Sou de SP e nao consigo achar essas tabelas na internet. A minha concessionaria de energia é a Eletropaulo.
 
 
#11 Pedro Henrique 19/07/2016 01:32
Segundo a Norma ND10 da ELEKTRO para Fornecimento e Instalações Individuais, o fator de potência para iluminação e tomadas, em instalações residenciais, é de 1,0 em ambos. Até agora usamos 0,8 para tomadas. Posso usar 1,0 para tomada e iluminação igual diz a Norma ND10? Pois esta é a concessionária em minha região.
 
 
#10 Administrator 25/06/2016 08:59
Citando MÁRCIO ANDRÉ:
BOA NOITE! TRABALHO NA COMPANHIA DE ENERGIA DA COELCE (TERCEIRIZADA), VENHO INFORMAR QUE A COELCE ADOTADA POTENCIA ACIMA DE 4.000W JÁ COLOCAR TRIFÁSICA 220V. ISSO É VIÁVEL PARA NOSSA REDE ELÉTRICA?

Olá Márcio André, a norma técnica NT-001/2012 R-05 consta que o fornecimento trifásico deve ser acima de 19 KW. Mas quanto a pergunta da viabilidade, acesse o na aba "DICAS" um artigo que irá esclarecer sua dúvida: Balanceamento de fases em sistema trifásico.
Demais dúvidas, estou a disposição!

Att,
Tiago Moreira
 
 
#9 MÁRCIO ANDRÉ 24/06/2016 19:01
BOA NOITE! TRABALHO NA COMPANHIA DE ENERGIA DA COELCE (TERCEIRIZADA), VENHO INFORMAR QUE A COELCE ADOTADA POTENCIA ACIMA DE 4.000W JÁ COLOCAR TRIFÁSICA 220V. ISSO É VIÁVEL PARA NOSSA REDE ELÉTRICA?
 

@ Copyright 2018, EW7. Todos os direitos reservados.